L'itinérance

“Cinema: It is a ribbon of dreams.” (Orson Welles)

Filme: O Leitor – A crônica de um segredo

The Reader, movie

Søren Kierkegaard disse que “não há nada em que paire tanta sedução e maldição como num segredo”. Também o original poeta Rainer Rilke percebeu com clareza que “o nosso mundo é um pano de cena atrás do qual se escondem os segredos mais profundos”. Freud explica. Toda alma tem segredos, desde os mais superficiais até aqueles que estão trancafiados nos seus porões escuros. E o segredo isola. Pode ser como uma prisão auto imposta.

Mais uma vez assisti O Leitor (The Reader, 1998), filme cujo enredo gira em torno de um segredo. Gosto deste filme. A sociedade acredita que é guiada pela moralidade mas isto não é verdade. Baseado em um livro com sucesso mundial de vendas, O Leitor é a uma história que nos levará a questionar algumas das “nossas mais profundas verdades”. O premiado diretor de As Horas, Stephen Daldry, mostra novamente o seu talento numa história de medos e segredos escondidos pelo tempo. Hanna Schmitz (Kate Winslet) foi uma mulher solitária durante grande parte da vida. Quando se envolve amorosamente com o adolescente Michael Berg (David Kross) não imagina que um caso de verão irá marcar para sempre as suas vidas. Na Alemanha, após a Segunda Guerra Mundial, o adolescente se envolve, por acaso, com esta mulher que tem o dobro de sua idade. Apesar das diferenças de classe, os dois se apaixonam e vivem uma bonita história de amor. Até que um dia Hanna desaparece misteriosamente. Oito anos se passam e Berg, então um aplicado estudante de Direito, se surpreende ao reencontrar seu passado de adolescente quando acompanhava um polêmico julgamento por crimes de guerra cometidos pelos nazistas.

Com 124 minutos de duração, o drama lançado em 2008 e estreado no Brasil no ano seguinte, é um filme rico e surpreendente. Se você está a procura de "velocidade e ação", então desista de vê-lo. The Reader é um bom drama, que recebeu cinco indicações ao Oscar, incluindo as de Melhor Filme e Melhor Diretor, e colheu a estatueta de Melhor Atriz (Kate Winslet) em 2009.

O filme termina com o protagonista, ao lado de um túmulo, do qual se afasta no movimento de corte final de câmera. Ele tem ao lado a sua única filha, e começa a contar-lhe o grande segredo de sua vida, no seu caminho de liberdade pessoal. Um ser distante e fechado começa a sair do casulo justamente no cenário final do filme. Mas todos quantos acompanhamos a história sabemos que em todo tempo estava ali alguém cheio de vida e de cores — apenas estava enclausurado pelo segredo que marcou sua vida.

Mas devo parar por aqui. Filme é como um segredo, que jamais deve ser contado antes do tempo, e muito menos por um terceiro. Vá descobri-lo você mesmo! Eu posso suportar o peso de guardá-lo. Claro que até certo ponto, como me denuncia este post.

Anúncios

Written by Paulo Amadeu

10/08/2011 às 7:08

%d blogueiros gostam disto: