L'itinérance

“Cinema: It is a ribbon of dreams.” (Orson Welles)

Dez Filmes (50)

Publico mais uma lista de dez (10) filmes a que tenho assistido — em alguns casos, mais de uma vez. Assim como nas listas anteriores, procurei incluir vários gêneros, épocas e avaliações. Os links remetem para um site especializado em cinema.

The Prestige, 2006, movie

Hugh Jackman e Christian Bale em “O Grande Truque” (The Prestige, 2006) 

1. O Grande Truque (The Prestige, 2006) – Filme dirigido por Christopher Nolan, com o roteiro adaptado do livro homônimo de 1995 escrito por Christopher Priest. Estrelando Christian Bale, Hugh Jackman, Scarlett Johansson e Michael Caine. A história retrata dois mágicos rivais de Londres no final do século XIX. Obcecados em criar o melhor truque de ilusão, eles iniciam uma competição com trágicos resultados. Em 2007 o filme recebeu duas indicações ao Oscar, nas categorias de Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte. “Você está procurando pelo segredo, mas não o encontrará, porque não está realmente procurando. Você realmente não quer saber; você quer ser enganado”. nota 8,4

2. A Marca da Maldade (Touch of Evil, 1958) – Filme do gênero policial dirigido por Orson Welles e com roteiro baseado em obra de Whit Masterson. Estrelando Orson Welles, Charlton Heston e Janet Leigh, com participação especial de Marlene Dietrich. A trilha sonora de Henry Mancini abriu um divisor de águas na história da música para o cinema, ao colocar o chamado mainstream jazz no score musical. A história se passa numa cidadezinha bem perto da fronteira entre o México e os Estados Unidos da América. “Ele era um homem fora do comum. O que se diz sobre uma pessoa é indiferente”. nota 8,3

3. Primavera, Verão, Outono, Inverno… E Primavera (Bom yeoreum gaeul gyeoul geurigo bom, 2003) – Filme sul-coreano muito bom, digirido por Ki-duk Kim. Estrelando Ki-duk Kim, Yeong-su Oh e Jong-ho Kim. A história se passa em um templo flutuante em um lago, onde habitam um velho monge budista e um pequeno monge aprendiz. As estações do ano representam os diversos estágios pelos quais passará o pupilo. Um movimento cíclico de constante e inevitável regresso, que por um lado traz a mesmice, e por outro o singular. nota 8,1

4. Sempre aos Domingos (Les dimanches de Ville d’Avray, 1962) – Filme francês, do gênero drama, baseado em livro homônimo de Bernard Eschassériaux e dirigido por Serge Bourguignon. Estrelando Hardy Krüger, Nicole Courcel, Patricia Gozzi e Daniel Ivernel. Em 1963 o filme ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, e em 1964 foi indicado ainda nas categorias Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Trilha Sonora (Maurice Jarre); na trilha sonora, destaque para o Adaggio, for Organ and Orchestra, de Tomaso Albinoni. “É a sinceridade que lhes incomoda?” nota 8,1

5. A Noite Americana (La nuit américaine, 1973) – Filme ítalo-francês dirigido por François Truffaut. Estrelando Jacqueline Bisset, Jean-Pierre Léaud, François Truffaut, Valentina Cortese e Jean-Pierre Aumont. Apresenta um cineasta, durante a produção de um filme, seus imprevistos, atores com ego inflado, problemas de bastidores, e as soluções improvisadas para concluir o projeto a tempo. Trilha sonora assinada por Georges Delerue. Em 1974 ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, e em 1975 foi indicado ainda nas categorias Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz Coadjuvante (Valentina Cortese). “Esperamos que o público goste de assistir como gostamos de fazer”. nota 8,0

6. Um Violinista no Telhado (Fiddler on the Roof, 1971) – Drama e musical dirigido por Norman Jewison, baseado em musical da Broadway, que por sua vez foi baseado em contos de Sholom Aleichem. Estrelando Chaim Topol, Norma Crane e Leonard Frey. Numa pequena aldeia na Rússia sob o Czarismo, no período pré-revolucionário do início do século XX, o foco é a comunidade judaica local. Apurada sensibilidade e humor, e alguns bons momentos de música, coreografia e fotografia. Em 1972 o filme foi indicado ao Oscar em 8 (oito) categorias, vencendo em três, entre as quais Melhor Trilha Sonora (John Williams). Entre as indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator (Chaim Topol). nota 7,8

7. A Ponte de Waterloo (Waterloo Bridge, 1940) – Filme dirigido por Mervyn LeRoy, baseado na peça homônima de Robert E. Sherwood. Refilmagem do original de Waterloo Bridge, de 1931. Estrelando Vivien Leigh, Robert Taylor e Lucile Watson. A história tem início na Ponte de Waterloo, em Londres, à época dos bombardeios da Primeira Guerra Mundial. Em 1941 o filme foi indicado ao Oscar de Melhor Fotografia; a conhecida trilha sonora assinada por Herbert Stothart também foi indicada, com destaque para o belíssimo movimento de O Lago dos Cisnes de Tchaikovsky e para a Farewell Waltz (Valsa da Despedida/Valsa do Adeus) de Chopin. nota 7,7

8. Encurralado (Duel, 1971) – Road movie especialmente produzido para a televisão, dirigido por Steven Spielberg em início de carreira, a partir de um roteiro do especialista Richard Matheson, e estrelado por Dennis Weaver. Um caixeiro viajante é atormentado e perseguido por um enorme caminhão conduzido por um criminoso. “Quando as luzes dos faróis de um caminhão tornam-se os olhos de um psicopata”. Serviu de base para uma série de filmes explorando o tema de uma máquina assassina sobre rodas. O filme ganhou um Globo de Ouro em 1972. nota 7,7

9. Passagem para a Índia (A Passage to India, 1984) – Filme britânico dirigido por David Lean. Drama com boa densidade psicológica, baseado no livro homônimo de E. M. Forster. Estrelando Judy Davis, Victor Banerjee, Peggy Ashcroft, James Fox e Alec Guinness. No final da década de 1920, uma rica inglesa liberal parte para a Índia, então sob domínio britânico, em companhia de sua futura sogra. Excelente trilha sonora de Maurice Jarre. Em 1985 o filme foi indicado ao Oscar em 11 (onze) categorias, vencendo em duas, entre as quais Melhor Trilha Sonora (Maurice Jarre). Entre as indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Atriz (Judy Davis). nota 7,4

10. Ontem, Hoje e Amanhã (Ieri, oggi, domani, 1963) – Comédia dirigida por Vittorio De Sica, o filme é considerado um clássico da cinematografia italiana. Os protagonistas são Sophia Loren, numa fase esplendorosa, e Marcello Mastroianni. O casal vive uma série de encontros e desencontros em três histórias, focando cada uma delas em uma mulher. Humano, divertido e comovente. Bom score musical por Armando Travajoli — na primeira história, Sofia Loren cantarola Core ‘ngrato. Em 1965 o filme ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. nota 7,2

Confira também as listas anteriores de dez (10) filmes: 49, 48, 47, 46, 45… Não constam destas listas aqueles filmes sobre os quais já tenhamos publicado algum post. Em meu espaço pessoal no Youtube talvez você encontre vídeos para alguns destes filmes, com cenas selecionadas e trailers. Consulte as Listas de Reprodução.

Written by Paulo Amadeu

15/10/2011 às 12:20

Publicado em Assistidos Recentemente

Tagged with

%d blogueiros gostam disto: