L'itinérance

“Cinema: It is a ribbon of dreams.” (Orson Welles)

Dez Filmes (55)

Publico mais uma lista de dez (10) filmes a que tenho assistido — em alguns casos, mais de uma vez. Assim como nas listas anteriores, procurei incluir vários gêneros, épocas e avaliações. Os links remetem para um site especializado em cinema.

Ran, 1985

Tatsuya Nakadai (“Hidetora Ichimonji”) em Ran (1985), de Akira Kurosawa 

1. Ran (Ran, 1985) – Muito bom filme franco-japonês, do gênero drama de guerra, dirigido por Akira Kurosawa, com roteiro baseado na peça King Lear de William Shakespeare. Estrelando Tatsuya Nakadai, em boa atuação, além de Akira Terao e Jinpachi Nezu. No Japão do século XVI, um senhor feudal, patriarca de um importante clã, aos setenta anos, decide dividir o reino entre os três filhos. Apurados recursos estéticos resultam em momentos de grande beleza. Em 1986 foi indicado ao Oscar em quatro categorias, vencendo como Melhor Figurino. Entre as indicações, as de Melhor Diretor e Melhor Fotografia. “Não chore! Assim é a vida! Os homens buscam o sofrimento e a infelicidade”. nota 8,3

2. Interlúdio (Notorius, 1946) – Muito bom filme de suspense dirigido por Alfred Hitchcock. O roteiro é baseado em The Song of the Dragon, história de John Taintor Foote. Estrelando Cary Grant, Ingrid Bergman e Claude Rains. A história tem início na Flórida, em abril de 1946. Um agente do governo estadunidense chantageia a filha de um nazista, para forçá-la a espionar um agente alemão que mora no Rio de Janeiro. Como a maior parte da história é ambientada no Rio de Janeiro, o filme tem boas imagens da cidade à época. Em 1947 o filme foi indicado ao Oscar em duas categorias: Melhor Roteiro Original e Melhor Ator Coadjuvante (Claude Rains). nota 8,2

3. Sangue Negro (There Will Be Blood, 2007) – Drama dirigido por Paul Thomas Anderson, e com roteiro baseado no livro Petróleo! (1927), do escritor Upton Sinclair. Estrelando Daniel Day-Lewis, em muito boa atuação, além de Paul Dano, Ciarán Hinds e Dillon Freasier. Um minerador de prata torna-se o dono de uma grande companhia de extração de petróleo. A história tem destaques em 1898, 1902, 1911, quando transcorre a maior parte da história, e finalmente em 1927. Em 2008 o filme foi indicado ao Oscar em 8 (oito) categorias, vencendo como Melhor Ator (Daniel Day-Lewis) e Melhor Fotografia. Entre as indicações, as de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado. nota 8,2

4. Caráter (Karakter, 1997) – Filme holandês, em consórcio que também conta com empresas belgas, dirigido por Mike Van Diem. O roteiro é baseado no romance best-seller de Ferdinand Bordewijk. Estrelando Jan Decleir, Fedja van Huêt, Betty Schuurman, Tamar van den Dop e Victor Löw. A história é ambientada na Holanda, na década de 1920, e recorre a flashbacks. Amor não correspondido e ambição cega estão entre os temas, assim como a dificuldade de alguns caracteres em expressar emoções e as repercussões deste fato. Em 1998 ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. “Quem não aceita um presente também não pode dar”. nota 7,8

5. Meu Tio (Mon Oncle, 1958) – Filme ítalo-francês, do gênero comédia, dirigido pelo cineasta Jacques Tati. Estrelando Jacques Tati, Jean-Pierre Zola, Adrienne Servantie e Lucien Frégis. Parece desenho animado. Um mundo adulto de regras e aparências, fútil, superficial, artificial e inautêntico, é contrastado com o mundo infantil. Caricatura da família burguesa, urbana, com sua parafernália tecnológica. Uma sátira à mecanização e modernidade tecnológica. Em 1959 ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. “Ele não parece ser bom para esta fábrica”. nota 7,8

6. Infâmia (The Children’s Hour, 1961) – Filme dirigido por William Wyler, baseado em peça teatral homônima de Lillian Hellman, que roteirizou sua obra para o cinema. Estrelando Audrey Hepburn, Shirley MacLaine e James Garner. A abordagem realista resultou em drama denso e corajoso, especialmente quando se leva em consideração a época em que foi produzido. Desmistifica alguns conceitos romanticamente ingênuos, bastante comuns e generalizados. Trilha sonora de Alex North. Em 1962 foi indicado ao Oscar em cinco categorias, entre as quais Melhor Atriz Coadjuvante (Fay Bainter) e Melhor Fotografia. “O mau muito jovem. O mau muito velho”. nota 7,7

7. Henrique V (The Chronicle History of King Henry the Fift with, 1944) – Filme dirigido e protagonizado por Laurence Olivier. Estrelando ainda Renée Asherson, Robert Newton e Leslie Banks. Trata-se de uma boa adaptação para o cinema da peça homônima de William Shakespeare. Em 1947 o filme foi indicado ao Oscar em cinco categorias, tendo Laurence Olivier recebido o prêmio honorário pelo trabalho como diretor e ator. Entre as indicações: Melhor Filme, Melhor Ator (Laurence Olivier) e Melhor Trilha Sonora (William Walton). “E, exceto pelo aparato, esse miserável, que passa os dias labutando e as noites dormindo, consegue levar vantagem sobre um rei”. nota 7,4

8. O Portal do Inferno (Jigokumon 1953) – Filme japonês dirigido por Teinosuke Kinugasa. Uma história bem construída, nos gêneros drama e história. Estrelando Machiko Kyô, Kazuo Hasegawa e Isao Yamagata. Alguns bons movimentos e enquadramentos de câmera. Após a Guerra de Heiji, em 1159, um samurai, que distinguiu-se e mereceu uma recompensa pela forma como atuou, pede ao imperador que lhe conceda a esposa de um outro samurai. Em 1956 ganhou o Oscar Honorário de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Figurino. “Como eu pude acreditar que poderia conquistar seu coração à força?”. nota 7,2

9. O Velho e o Mar (The Old Man and the Sea, 1958) – Filme dirigido por John Sturges, com roteiro baseado no clássico romance homônimo de Ernest Hemingway. Estrelando Spencer Tracy (que além de ser o protagonista é também o narrador), e contando com a participação de Felipe Pazos Jr.. O velho pescador cubano que só tem como amigo um garoto. “Tudo nele era velho, com exceção dos olhos. E eles eram da cor do mar, alegres e incansáveis”. Em 1959 o filme ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora (Dimitri Tiomkin) e foi indicado como Melhor Ator (Spencer Tracy) e Melhor Fotografia. “A sorte vem de várias formas. Quem consegue reconhecê-la?” nota 6,9

10. Três Dias de Amor (Au-delà des grilles / Le mura di Malapaga, 1949) – Filme franco-italiano dirigido por René Clément. A trilha sonora foi assinada por Roman Vlad e direção de fotografia por Louis Page. Estrelado por Jean Gabin e Isa Miranda. Um homem francês, foragido da polícia, aporta em Gênova, Itália, onde conhece uma mulher e sua filha adolescente. Em 1951 ganhou o Oscar Honorário de Melhor Filme Estrangeiro. “Como eu poderia julgá-lo? Eu não posso. Ti voglio bene!”. nota 6,8

Confira também as listas anteriores de dez (10) filmes: 54, 53, 52, 51, 50… Não constam destas listas aqueles filmes sobre os quais já tenhamos publicado algum post. No canal Youtube talvez você encontre vídeos para alguns destes filmes, com cenas selecionadas e trailers. Consulte as Listas de Reprodução.

Written by Paulo Amadeu

12/12/2011 às 8:45

Publicado em Assistidos Recentemente

Tagged with

%d blogueiros gostam disto: