L'itinérance

“Cinema: It is a ribbon of dreams.” (Orson Welles)

Dez Filmes (59)

Publico mais uma lista de dez (10) filmes a que tenho assistido — em alguns casos, mais de uma vez. Assim como nas listas anteriores, procurei incluir vários gêneros, épocas e avaliações. Os links remetem para um site especializado em cinema.

The Artist, 2011, movie

Jean Dujardin e Bérénice Bejo em “O Artista” (The Artist, 2011)

1. O Artista (The Artist, 2011) – Excelente filme dirigido por Michel Hazanavicius, protagonizado por Jean Dujardin e Bérénice Bejo. Um louvor à sétima arte, trata-se de mais um roteiro que trabalha a transição do cinema mudo para o falado; porém, desta feita, com o imenso diferencial de tratar-se de um filme mudo. A história tem início em 1927, passando pela Quebra da Bolsa, e termina com o início dos grandes musicais. Na edição do Oscar de 2012 o filme foi indicado em 10 (dez) categorias, vencendo em cinco, entre as quais Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Ator (Jean Dujardin) e Melhor Trilha Sonora Original (Ludovic Bource). Entre as indicações, a de Melhor Roteiro Original. “O público quer carne fresca”. rate08_thumb_thumb

2. Histórias Cruzadas (The Help, 2011) – Roteiro adaptado com base no romance homônimo de Kathryn Stockett. Com direção de Tate Taylor, estrelando Emma Stone, Viola Davis e Octavia Spencer. Ambientado em Jackson, Missississipi, na década de 1960, durante a era americana dos “Direitos Civis”. O filme é narrado do ponto de vista de uma sofrida senhora negra, empregada doméstica, que, desde os seus quatorze anos, criou muitas crianças brancas. A história aponta para uma sociedade religiosa, vertical, estratificada e preconceituosa, com papéis bem definidos. Em 2012 ganhou um prêmio Oscar e recebeu outras quatro indicações, inclusive as de Melhor Filme e Melhor Atriz (Viola Davis). “Coma a minha merda”. 8,1

3. A Invenção de Hugo Cabret (Hugo, 2011) – Roteiro adaptado no homônimo livro infanto-juvenil de Brian Selznick, publicado em 2007. Dirigido por Martin Scorsese, estrelando Asa Butterfield, Chloë Grace Moretz e Christopher Lee. Recorrendo a um apurado e comovente “mecanicismo poético”, a ficção se remonta às origens do cinema, às primeiras imagens animadas. A história traz Georges Méliès (1861- 1938), considerado o "pai dos efeitos especiais, e o curta francês Le Voyage dans la lune, de 1902. Em 2012 recebeu 11 (onze) indicações ao Oscar, tendo vencido em cinco delas. Entre as outras indicações, as de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Trilha Sonora (Howard Shore) e Melhor Roteiro Adaptado. 7,7

4. Jezebel (Jezebel, 1938) – Produzido e dirigido por William Wyler, estrelando Bette Davis, Henry Fonda, Donald Crisp e George Brent. O roteiro baseou-se numa peça de Owen Davis. Trata-se de um drama ambientado na cidade de Nova Orleans no século XIX, na época em que a região era dominada pela aristocracia rural sulista algodoeira, e assolada por surtos de febre amarela. A boa trilha sonora foi assinada por Max Steiner. Na edição do Oscar de 1939 foi indicado em cinco categorias, vencendo em duas: Melhor Atriz (Bette Davis) e Melhor Atriz Coadjuvante (Fay Bainter). As demais indicações foram Melhor Filme, Melhor Fotografia e Melhor Trilha Sonora (Max Steiner). 7,6

5. Os Descendentes (The Descendants, 2011) – Roteiro adaptado, com direção de Alexander Payne, estrelando George Clooney, Shailene Woodley e Amara Miller. Quando o Havaí não é apenas um paraíso. O drama promove uma imersão inteligente na realidade e tem vários momentos bem humorados. A trilha sonora recorre a bons acústicos havaianos, e a fotografia explora bem os recursos da região. Em 2012 foi indicado ao Oscar em cinco categorias, vencendo como Melhor Roteiro Adaptado. Entre as demais indicações, as de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator (George Clooney). “Dê a seus filhos dinheiro para fazerem algo, mas não o bastante para não fazerem nada”. 7,5

6. Há Tanto Tempo que Te Amo (Il y a longtemps que je t’aime, 2008) – Filme francês escrito e dirigido por Philippe Claudel, estrelando Kristin Scott Thomas e Elsa Zylberstein, duas ótimas atrizes, assim como Serge Hazanavicius. Muito boa atuação de Kristin Scott Thomas. Trata-se de um filme de muita densidade humana, envolvendo medos, sofrimentos, incertezas e durezas. O roteiro bem construído resultou em um drama familiar com alma e coração. Bem premiado em festivais de cinema, foi indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro em 2009. 7,5

7. Os Cowboys (The Cowboys, 1972) – Roteiro adaptado, com direção de Mark Rydell, estrelando John Wayne, Roscoe Lee Browne e Bruce Dern. Nunca o substantivo cow-boy foi tão literal. Um vaqueiro contrata um grupo de onze garotos para ajudá-lo a levar seu gado em uma jornada que irá mudar a vida de todos. Neste celebrado western John Wayne pôde demonstrar todo o seu talento em uma grande performance. Boa trilha sonora de John Williams. “Se seu nariz empinar mais, você não conseguirá se curvar para calçar as próprias botas”. 7,2

8. Marcelino Pão e Vinho (Marcelino pan y vino, 1955) – Filme espanhol, com direção de Ladislao Vajda, estrelando Rafael Rivelles, Antonio Vico, Juan Calvo e Pablito Calvo. O roteiro adaptado baseia-se no famoso livro homônimo escrito por José María Sánchez. Conta a história em que, na Espanha, um órfão é encontrado na porta de um mosteiro, sendo então criado por doze frades franciscanos. Aplaudido no festiva de Cannes e Berlim. “Uns morrem, e outros nascem. O que morreu, se sabe se foi um homem bom. Mas, quanto ao que nasce, o que poderemos saber?” 7,0

9. Preto e Branco em Cores (Noirs et blancs en couleur, 1976) – Filme francês dirigido por Jean-Jacques Annaud, estrelando Jean Carmet, Catherine Rouvel e Jacques Spiesser. O roteiro da comédia é situado em 1915, na África Equatoria Francesa, onde os rumos da Primeira Grande Guerra têm seu impacto nas relações entre franceses e alemães locais, e os africanos são “convidados” a se envolver. Os jogos de interesse se manifesfam. Uma leitura bem humorada do colonianismo na África. Filmado inteiramente na Costa do Marfim. Em 1977 ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. “Um francês nunca se rende se pode existir alternativa”. 6,9

10. Albert Nobbs (Albert Nobbs, 2011) – Drama produzido pela Irlanda e Reino Unido, dirigido por Rodrigo García e protagonizado por Glenn Close. Estrelando ainda Mia Wasikowska e Aaron Taylor-Johnson. Roteiro baseado num conto do romancista irlandês George Moore. Uma mulher vive como um homem e alimenta um sonho, trabalhando em hotel na conservadora sociedade irlandesa do século XIX. Bons desempenhos de Glenn Close e Janet McTeer. Glenn Close já havia interpretado o personagem principal numa produção de teatro em 1982. Em 2012 foi indicado ao Oscar em três categorias, incluindo a de Melhor Atriz (Glenn Close). “Que homenzinho gentil!” 6,6

Confira também as listas anteriores de dez (10) filmes: 58, 57, 56, 55, 54… Não constam destas listas aqueles filmes sobre os quais já tenhamos publicado algum post. No canal Youtube talvez você encontre vídeos para alguns destes filmes, com cenas selecionadas e trailers. Consulte as Listas de Reprodução.

Written by Paulo Amadeu

18/10/2012 às 19:03

Publicado em Assistidos Recentemente

Tagged with

%d blogueiros gostam disto: